Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

netviagens sapo

Férias, Cidades e Hotéis - Netviagens. O melhor, pior e as recomendações sobre turismo e viagens. Companhias Aéreas, Alojamentos e destinos

netviagens sapo

Como Enganar Turistas

Falsos Policias

 

 

Como enganar turistas, ou melhor como não ser enganado sendo turista...

Quando estamos em viagem, férias ou negócios, somos muitas vezes confrontados com diverso tipo de situações que não passam de esquemas para nos livrar de algum dinheiro, e por vezes bastante dinheiro. Não se esqueça “Quando parece bom demais, deve ser bom demais para ser verdade!!!.... tente evitar estas situações prevenindo-se, e conhecendo os esquemas e fraudes que correm por esse Mundo fora:

 

Falsos Polícias

 

Em muitos locais do Mundo turistas são abordados por falsos polícias, pedindo os seus documentos, dizendo que existe um problema com o Visa, ou com a licença de condução, ou documentos do veículo alugado. Normalmente resolvem o assunto rapidamente se pagarmos uma quantia em dinheiro e na hora. A melhor forma de ultrapassar este tipo de esquema é oferecer-se para se deslocar à esquadra de forma a resolverem o assunto. Esquema muito comum em Países Africanos e México;

 

Negócios de Carpetes ou Pedras Preciosas

 

Inúmeras vezes o turista é abordado com um promissor negócio de pedras preciosas, ouro ou carpetes/tapetes, em plena rua ou encaminhado por taxistas ou excursionistas, prometendo um negócios espectacular. As pedras supostamente preciosas não passam de pedras comuns, o ouro falso e os tapetes podem não ter um preço/qualidade que justifique a compra. Esquema do ouro muito comum em Países do Sul da Europa (Portugal, Espanha e Itália). Esquema dos tapetes e Pedras (Países do Norte de África);

 

Negócios com carpetes

 

Táxis de Aeroporto

 

Apanhar um táxi no aeroporto pode custar muito mais do que uma tarifa justa, quando o condutor o leva por ruas infindáveis até chegar ao destino e lhe cobra um preço exorbitante. Tente chegar a acordo sobre o preço antecipadamente ou comprando um voucher no próprio aeroporto;

 

Taxi Aeroporto

 

Timesharing

 

Tudo começa com uma simples abordagem com a oferta de um pequeno prémio, seguido de uma deslocação a um hotel para recolher o dito prémio. Depois começa uma longa odisseia entre a equipa de marketing e o pobre turista, horas de assédio e exposição das vantagens de um qualquer empreendimento imobiliário a preços altamente vantajosos e uma pressão constante para assinar o contrato de Timesharing. Mesmo que se safe e não assine o contrato serão umas longas horas de férias perdidas e desaproveitadas. Esquema praticado essencialmente em locais de praia, como sul de Espanha, Portugal e Canárias.

 

Está fechado

 

Em muitos países um pedido de informação a um taxista ou guia sobre um restaurante, café, bar ou loja tem muitas vezes a mesma resposta; está fechado! No entanto indicam logo uma alternativa ainda melhor, claro que o intuito é  receberem uma comissão por encaminharem o máximo de turistas para estabelecimentos com o qual tem acordos. Não é um esquema grave mas não deixa de ser irritante;

 

Aluguer de Motas/Bicicletas/Carros

 

O prazer de alugar uma mota ou bicicleta termina com uma avaria ou pequeno acidente. Contactada a empresa de aluguer esta apresenta-lhe uma factura exorbitante para pagamento da avaria ou danos em caso de acidente. Afinal a mota/bicicleta/automóvel não estava totalmente coberta no seguro e o seu estado de conservação deixava muito a desejar. Para evitar este tipo de esquema alugue apenas em agentes credenciados e verifique sempre que possível com fotos o estado do veículo antes de iniciar a sua viagem. Frequente no Sudeste Asiático.

 

Aluguer de Motas/Bicicletas #2

 

A moto/bicicleta alugada em férias é roubada. Muitas vezes não passa de um esquema premeditado, em que com uma cópia da chave da mota alguém contratado pela empresa de aluguer faz desaparecer a mota. O alugador apresenta então uma conta elevada para cobrir os prejuízos do roubo. Para evitar este tipo de esquema utilize um cadeado próprio e evite deixar a mota/bicicleta em locais sem vigilância.

 

Estes Pássaros!!

 

Este maldito pássaro com tanto sitio no Mundo e escolheu logo o turista como retrete, as fezes de um qualquer pássaro acertaram logo na camisa de flores de um turista despreocupado e eis que subitamente aparecem logo umas almas caridosas prontos a ajudá-lo com lenços de papel, toalhitas ou algo parecido, tanta gentileza, que País tão simpático. Depois de limpo, os estranhos desaparecem, assim como desaparecem sem dar por isso os valores pessoais (carteira, telemóvel, máquina fotográfica, etc) no meio daquela confusão e simpatia. Afinal não passava tudo dum esquema, e o pássaro afinal não tinha asas era um passarão ladrão que fez saltar os dejectos na camisa do turista num esquema premeditado;

 

As meninas dos Bares/ Cafés

 

Tendo como alvo turistas homens, jovens bonitas raparigas abordam as suas presas em locais movimentados de uma qualquer cidade. Uma pequena conversa e o convite para ir tomar uma bebida num bar/café simpático e escolhido pela menina. Depois do consumo a jovem desaparece e o homem turista fica com uma conta astronómica para pagar. Esquema muito comum no Leste Europeu (Hungria);

 

Esquema com Hotéis

 

Depois de uma cansativa viagem de avião ou combóio, o turista mete-se num táxi e pede para o levarem a determinado hotel. Ao chegar assina uma série de papéis e até o convencem a contratar umas excursões. Ao instalar-se no quarto começa a perceber que estranhamente o hotel não se parece com aquele que reservara quando planeou a viagem. Afinal tinha sido largado noutro qualquer hotel que até tem um nome semelhante mas de qualidade e standards muito inferior. Fraude muito comum em determinados locais do Mundo onde hotéis locais copiam o nome de hotéis de cadeias internacionais e combinam esquemas com taxistas ou angariadores nos terminais dos aeroportos ou comboios. Antes de assinar qualquer documento certifique-se que está no local certo e reserve sempre hotéis em sites de confiança.

 

 

Créditos deste artigo para Lonely Planet